terça-feira, 23 de junho de 2009

Eu e minhas presepadas...

Eu tenhoo essa mania de tentar salvar a humanidade, e só me fodo prejudico, e o pior... Não aprendo, rs...
Ontem cheguei aqui no hotel e logo vi um pobre caozinho deitado em frente ao portão da garagem, tava frio, e ele tava com carinha de fome... (detalhe que cachorro tem sempre cara de fome) Pois é, antes de sair pro almoço, fui lá levei alguns mantimentos pra ele, e um potinho de água.
Saí pra almoçar, depois visitar um cliente, e quando cheguei de volta, lá estava ele... Me viu, e já foi abandando o rabinho.
Cheguei aqui e comentei com os colegas, que o segurança jajá ia botar o pobre cão pra correr, e ele ia parar na BR , atropelado, tadinho. Eis que um colega me disse a fatídica frase:

- Que lindinho , se eu tivesse como... levaria pra casa! Mas como vou levar um cachorro no ônibus???

Pra quê amigas??? Pra que que alguém diz isso pra mim? A criatura (meu colega) mora aqui perto, porém o horáriio de trabalho dele é das 15 ás 23 horas. Juntei tico com teco e falei:

- Seguinte Paulinho, eu vou levar o cachorrinho pra minha casa, e amanhã eu levo ele pra ti, pode ser???

Ele concordou e lá fomos nós, botei no carro, e peguei a estrada.
Tudo tranquilo até aí né? Sim. Pq eu tenho um cachorrinho lá em casa que é a coisa mais querida desse mundo, nunca vi rosnar (exceto pro carteiro e pro lixeiro) é super meigo, e adora outros amigos cachorros. Sem problemas.

Ledo engano. Cheguei em casa, abri o portão e fui-me entrando com o carro, como é de costume o Bud quando vê o portão se abrir, já sobe as escadas pra me esperar na porta de entrada da sala...
Parei na garagem, abri a porta detrás e quando o cachorrinho desceu, que o Bud avistou a criatura saindo do meu carro enlouqueceu... Nunca vi, dentes tão afiados partindo pra cima do entruso.

E o que seguiu por aí foi aquela confusão da empregada com uma vassoura tentando apaziguar e o cachorrinho tb tentando se defender, e a Mari e o Cecéu chorando , e eu desesperada...

Menos de 15 minutos depois disso, já estava eu pegando o caminho da roça pro Hotel, embaixo de uma baita chuvona, com filhotes de pijama ... Pra trazer o pobre infeliz de volta.

Ninguém merece! Só eu mesmo...

Nenhum comentário: