segunda-feira, 28 de julho de 2008

Simples assim...

Tem determinadas coisas que não entram na minha cabeça, por mais que eu me esforce, não existem argumentos que possam me fazer entender... Uma delas é mulher que não dirige! E sempre com alguma justificativa...

Medo?
Preguiça?
Comodismo?



AH FALA SÉRIO ... Se elas soubessem o quanto é gostosa a sensação de estar ao volante, já teriam tomado coragem há tempos.
Eu cresci, andando de carro com a minha mãe pra cima e pra baixo.... Hoje me lembrei perfeitamente, na hora de escrever o post de homenagem aos aniversariantes... Da minha mãe, indo pro hospital, de cesárea marcada, sozinha... pra ganhar meu irmão! Justamente naquela semana meu pai estava viajando a trabalho, e o numa consulta de rotina o médico decidiu fazer o parto pq ele estava muito grande ... Pensa que ela se desesperou? Que nada, fomos pra casa... ela me arrumou bonitinha, arrumou a minha mochila , a mala de maternidade dela, me deixou na casa da minha avó, e se foi, meu pai só ficou sabendo que meu irmão tinha nascido, quando a minha mãe passou o número do telefone da Ford pra enfermeira, e pediu pra alguém avisar ele...



Independente ela não?



Tal mãe tal filha. Com 15 anos, meu pai já começou a me ensinar algumas noções básicas de direção, ele me levava no Jardim São Caetano, dava a chave na minha mão e dizia... vai lá!
E eu ia, toda toda... Quando eu comecei a namorar o Fá, meu primeiro namorado,eu tava pra completar 16 anos, daí que ele tb cismou que tinha que me ensinar... E vamo que vamo, eu tava indo bem, até que um fatídico sábado á tarde, voltando do Citty, de mais uma aulinha romântica , e chegando em casa, na hora de descer minha rua que é uma ladeira super íngrime, fui que fui, e ele segurando o freio de mão, todo o tempo, igualzinho fazem os instrutores, e eu fazendo tudo muito direitinho, até que acabou a ladeira, cheguei bem em frente da minha casa , ele falou bem assim...

- Ae, agora imbica o carro na frente da sua casa...

Só que ao invés de pisar no freio, eu pisei na embreagem e

PLOFT %$&¨#*

Quase entro garagem adentro da minha casa com o portão, o muro e tudo mais.Acabei com o Kadett novinho do pobre do Fabiano. (E o detalhe, é que ainda por cima fiz xixi nas calças na hora... e quem disse que alguém conseguia me tirar de lá de dentro? Minhas pernas tremiam feito vara verde... E enquanto o coitado do ex noivo sentou pra chorar na calçada, meu pai teve que me tirar do carro no colo, em estado total de choque)

Dali em diante eu broxei , não que eu tivesse traumatizada, mas nunca mais me empolguei em dirigir! Achava que o banco do passageiro era bem mais seguro pra mim, e tava feliz... Pegava o Busão pra trabalhar, de noite namorado levava pra aula, pra que que eu ia me preocupar em dirigir, tava cômodo assim...

Um belo dia, meu pai do nada me falou:

- Dani, teu aniversário tá chegando, e eu vou te dar a carteira de habilitação de presente!Vai lá na Auto escola perto do teu trabalho e se informa de quanto fica... E vamos comprar um carro pra vc, eu dou a entrada e pago as primeiras prestações, depois vc se vira...

Ele curtia tanto esse tipo de coisa, que por mais broxada que eu tivesse, como é que eu podia dizer não? Sou a filha mais velha dele, e conhecendo o meu pai, como eu bem conhecia, acho que ele idealizava esse momento, desde quando eu nasci. Andamos em tantas concessionárias, testamos várias marcas e modelos de carro, sabiamos o que queríamos: era um carro mil, popular... Na época estavam lançando o Ka, e a gente ficou na maior dúvida, entre ele e o já famoso Uno (que naquele ano havia sido eleito o carro do ano pela Revista Quatro Rodas)

Só sei que foi numa sexta-feira , final de tarde que fomos na buscar meu primeiro carro , dois dias antes da minha carta ficar pronta... Fomos, eu , meu pai e minha mãe; meu pai veio dirigindo ele, todo novinho, os bancos com plásticos ainda, e aquele cheirinho delicioso de carro novo, guardamos na garagem... e eu fiquei lá, namorando ele um tempão ...

No sábado, ia na academia , que ficava a duas ou três quadras da minha casa, e minha mãe me deu a idéia...

- Filha, pq vc não vai de carro?

- É mesmo né mãe??? Tão pertinho, assim vou treinando por aqui ... por perto.

Me lembro como se fosse hoje, minha mãe tirou ele da garagem pra mim,Eu falei... e agora??????

E ela , na maior tranquilidade me disse...

- Vai lá, não tem segredo, vc põe a primeira , faz o sinal da cruz e vai embora, devagar e sempre ... só se aprende a dirigir , dirigindo!

E eu fui.... daquele dia em diante, nunca mais tive medo, nunca mais parei!

É tão simples, bota a primeira, acelera e vai embora... Dirigir , é mais simples do que fazer um arroz soltinho... Não requer prática, tampouco habilidade... e qualquer dona de casa pode fazer!









Se alguma vez eu já bati????

Isso já é assunto pra um próximo post ...
Editado:
PS. Lembrando sempre, que esse post não é crítica pra ninguém, muito pelo contrário mulherada... Eu escrevi ele o tempo todo no intuito de encorajar, as desencorajadas, e despertar a vontade, nas desanimadas, tenho muitas amigas, que não dirigem, o que escrevi aqui, digo pra elas sempre que posso... aproveitando , pra Parabenizar, a nova (véia) motorista de São Leopoldo... Renata Piaia, que tirou a carteira há muito tempo, mas que só agora, se libertou do medo, da preguiça, e anda "voando ás tranças" por aí ...E viva a lei seca !

Nenhum comentário: